Desejo e Realização em “Caminhos da Floresta”


Há muito e muito tempo atrás… Desde tempos inimagináveis, talvez tenha surgindo na mesma época que o homem, como mantra ou aspiração, não sei ao certo, porém, hoje está a cada dia mais forte o tão conhecido “Eu desejo”.

Esta expressão, tão presente na vida do homem do século XXI e imortalizada pelo cinema, através da junção de quatro contos de fada, no filme e musical: “Caminhos da Floresta”. Neste filme diferentes personagens se encontram no meio da floresta para achar o que buscam há tempos: a realização de seus desejos.

Por isso, cada um deles, à sua maneira, entra na floresta cantando, “Eu desejo... eu desejo.”...

Todos buscam algo, pensando que é pessoal e único. Sem imaginar o quanto tudo está interligado e como cada um tem algo que ajuda a realização do desejo do outro. Rapidamente aprendem que seus desejos podem se tornar realidade.

O filme mostra como todos nós estamos conectados e como nossas aspirações e atitudes influenciam o meio em que vivemos e todos aqueles que nos cercam.

Vivemos em uma época em que o desejo tem sido fortemente estimulado e valorizado, até mesmo como elemento que define os indivíduos. O que somos está relacionado àquilo que desejamos. Mas será que dominamos nossos desejos? Será que temos consciência sobre o que buscamos ou simplesmente seguimos o fluxo, moldando nossos desejos conforme o que nos é ditado?

A compositora Ana Vilela fez grande sucesso recentemente com a canção Trem Bala, que reforça o questionamento sobre o que estamos buscando e desejando em nossas vidas. A compositora conclui com um convite a reflexão:

“A gente não pode ter tudo

Qual seria a graça do mundo se fosse assim?”

O que estamos desejando são coisas realmente importantes? Ou são apenas coisas que nos disseram para desejar?

Os desejos em excesso, e freqüentemente superficiais, infundados e transitórios, acabam nos transformando em pessoas ansiosas, deprimidas, frustradas ou nervosas. O mercado de consumo agradece, mas nossa saúde padece.

Precisamos refletir sobre os nossos desejos e para isso precisamos buscar constantemente o autoconhecimento, o sentimento de pertencimento ao mundo que nos cerca e a nossa conexão

com o todo.

Saber o que é realmente importante para nós de um modo amplo, conscientes de que nossos desejos têm poder sobre um universo bem mais amplo do que o que podemos perceber a primeira vista. Afinal, nós não estamos sozinhos.

O filme Caminhos da Floresta ilustra um velho ditado popular, que diz:

“Desejos são como crianças e quanto mais lhes cedemos, mais exigentes se tornam”

.

Por isso, cuidado com o que você deseja, pois toda magia tem seu preço...


102 visualizações